Tradição na indústria gaúcha há 75 anos, empresa de salgadinhos Pastelina começa reconstrução após perder fábrica na enchente

  • 09/06/2024
(Foto: Reprodução)
Prejuízos são estimados em R$ 5 milhões. Água chegou a 1,95 metros no local. Expectativa para reabertura é no mês de julho, afirma CEO da Pastelina. Pastelina, tradicional salgadinho gaúcho, tem 75 anos de história Arquivo pessoal Presente nas prateleiras desde mercadinhos de esquina até grandes atacarejos, a Pastelina faz parte da vida dos gaúchos há 75 anos. Contudo, no mês de maio, o sabor guardado na memória afetiva dos clientes foi substituído por um cenário de tristeza. 📲 Acesse o canal do g1 RS no WhatsApp A enchente em Porto Alegre levou tudo o que fazia a fábrica da tradicional empresa gaúcha de salgadinhos funcionar: matéria-prima, estoque, embalagens e máquinas. Ao entrar no local ainda com água na canela no dia 28 de maio, o CEO da empresa, Marcelo Gonçalves, descreveu a situação como uma "tristeza muito grande". Após 25 dias com a empresa alagada, onde a água chegou a alcançar 1,95 metros, Gonçalves se deparou com o que restava da história da Pastelina: apenas o telhado e as paredes. Fábrica da Pastelina, em Porto Alegre, foi destruída pela enchente Arquivo pessoal Ao menos 160,2 mil pessoas e 39,4 mil edificações foram afetadas em Porto Alegre. A Capital registra cinco dos 172 óbitos em decorrência dos temporais e cheias que atingiram o Rio Grande do Sul no mês de maio. A empresa, localizada no bairro Floresta na Zona Norte, sofreu prejuízos significativos, estimados em R$ 5 milhões, incluindo R$ 3,5 milhões em insumos, máquinas e equipamentos, além dos prejuízos de um mês sem vendas. Para a recuperação, será necessário um investimento adicional de R$ 1 milhão, sendo que a Pastelina já havia investido R$ 4 milhões em novas máquinas, que ainda não chegaram na fábrica. Fábrica da Pastelina é destruída pela enchente LEIA TAMBÉM Rodoviária de Porto Alegre reabre após ficar um mês fechada ao inundar durante enchente Guaíba fica abaixo da cota de alerta e registra menor marca em mais de um mês em Porto Alegre Presidente de associação de mães é presa por desvio de 25 toneladas de doações para atingidos por enchentes no RS, diz polícia Apesar do cenário desolador, o CEO percebeu um aspecto positivo em meio ao caos. "Não tínhamos noção da importância, da dimensão, do valor que a Pastelina tem para o nosso consumidor. Vimos o quanto a marca faz parte da história dos gaúchos". Gonçalves conta que a solidariedade e ofertas de ajuda, inclusive financeira, chegaram de todos os lados: ligações, mensagens e e-mails motivadores de consumidores estão ajudando o local se reerguer. "A empresa não pode deixar de existir", falavam os clientes. Empresas do setor também se solidarizaram, oferecendo espaço de fábrica para a Pastelina utilizar. No entanto, a prioridade da empresa no momento é concentrar os esforços na reconstrução para retomar as operações o quanto antes. Segundo o CEO, o primeiro mês de produção após o retorno já está encomendado. A Pastelina espera retornar às atividades em julho. "O gaúcho tem nas suas origens a garra, a luta, a perseverança", comenta Gonçalves, que, atuando há 21 anos na história da Pastelina, se espelha na força dos gaúchos para superar a destruição que a enchente deixou no estado. VÍDEOS: Tudo sobre o RS

FONTE: https://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2024/06/09/tradicao-na-industria-gaucha-ha-75-anos-empresa-de-salgadinhos-pastelina-comeca-reconstrucao-apos-perder-fabrica-na-enchente.ghtml


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Peça Sua Música

No momento todos os nossos apresentadores estão offline, tente novamente mais tarde, obrigado!

Top 5

top1
1. Raridade

Anderson Freire

top2
2. Advogado Fiel

Bruna Karla

top3
3. Casa do pai

Aline Barros

top4
4. Acalma o meu coração

Anderson Freire

top5
5. Ressuscita-me

Aline Barros

Anunciantes